terça-feira, 30 de setembro de 2014

OAB-DF impugna pedido de registro para advogar de Joaquim Barbosa


Editor Denise Griesinger
Agência Brasil -
 
O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal (OAB-DF), Ibaneis Rocha, impugnou o pedido do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa para reativar seu registro para exercer a advocacia, após se aposentar da Corte, em julho. A solicitação foi feita no dia 19 de setembro.
Rocha afirma que o pedido não pode ser aceito porque “não atende aos ditames do Art. 8º da Lei no 8.906/94 (Estatuto da Advocacia e OAB), notadamente a seu inciso VI”. Segundo o texto, para inscrever-se como advogado é preciso ter idoneidade moral. A reativação do registro de Barbosa ainda vai passar por uma comissão da OAB-DF.
Para justificar o pedido de impugnação, o presidente cita fatos ocorridos durante o período em que Barbosa presidiu o Supremo e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), entre 2012 e junho deste ano.
Em junho, o ex-presidente do STF mandou seguranças da Corte retirarem Luiz Fernando Pacheco, advogado do ex-deputado José Genoino, do plenário. Em março, Barbosa afirmou que há “conluio entre juízes e advogados”, durante o julgamento de um processo disciplinar no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra um juiz do Piauí, acusado de favorecer advogados em suas decisões.
Em maio, em outra sessão do CNJ que discutiu a mudança no horário de atendimento de advogados no Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), o ex-ministro disse que advogados acordam as "lá pelas 11h da manhã".  No ano passado, Barbosa afirmou que a proposta do ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, condenado no processo do mensalão, para trabalhar em um escritório de advocacia era “um arranjo entre amigos”.  

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Já temos nossa "Anta" eleitoral: Levy Fidelix

Candidato do PRTB à Presidência, Levy Fidelix associou homossexuais à pedofilia e pregou enfrentamento a gays durante debate na TV . Ele foi  assessor de Collor e ainda não venceu  nenhuma eleição.

BLOGUEIROS A DILMA: POR QUE A SENHORA APANHA CALADA DA GRANDE MÍDIA?


(Fotos: Cíntia Alves)


Via blog Evidentemente de Jadson Oliveira

Dilma voltou a defender a regulamentação econômica da mídia, afirmando que acredita que o Brasil, agora, está “maduro” para discutir essa pauta.

Do Luis Nassif Online,

Jornal GGN - Profissionais da chamada blogosfera progressista foram recebidos pela presidente Dilma Rousseff (PT) na tarde desta sexta-feira (26), no Palácio da Alvorada, para uma entrevista coletiva que foi transmitida ao vivo na internet. Em meio a perguntas sobre saúde, segurança, economia, infraestrutura e política, Dilma pôde esclarecer projetos encampados ou abandonados (caso do trem bala) durante seu mandato, além de corrigir falas que, segundo ela, foram distorcidas por veículos da grande mídia. Aproveitando o gancho, coube a Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania, perguntar à presidente por que, ciente da situação corriqueira, ela preferiu apanhar calada da imprensa durante quase quatro anos - esboçando, somente agora, em ano eleitoral, alguma reação.

Para embasar a questão, Guimarães e
outros blogueiros citaram, antes, a manipulação de informações pelos grandes grupos de comunicação, que vai desde a Petrobras até o recente discurso da presidente na ONU. Muitos jornais manchetaram que Dilma é a favor de “negociar com terroristas”. A petista não justificou a postura passiva que teve nos últimos anos, mas concordou que construir um contraponto em defesa do próprio governo é algo que precisa ser perseguido mais incisivamente num possível segundo mandato.

“O que nós vemos é que, no Brasil, tem uma forma de fazer oposição que tem que ser denunciada, que é a forma do quanto pior [for o desempenho do atual governo], melhor [para esta oposição]. Tem uma parte da imprensa que faz oposição, mas a oposição [dos partidos políticos] também faz. Essa história da imprensa fazer oposição não é monopólio do Brasil. Acontece em várias partes do mundo. O que é verdade é que a situação agora é mais difícil. Por isso, cheguei à conclusão de que, na minha campanha [à reeleição], a verdade vai vencer a mentira. Eu tenho tentado [fazer esse contraponto à oposição], e agradeço a quem me ajuda. É um debate que terá de ser feito no segundo mandato”, comentou Dilma.

Regulamentação da mídia

No início do encontro, Dilma voltou a defender a regulamentação econômica da mídia, afirmando que acredita que o Brasil, agora, está “maduro” para discutir essa pauta. Segundo ela, a regulamentação não criaria nenhum tipo de censura à produção de conteúdo ou liberdade de imprensa e expressão. Atenderia, sim, aos artigos da Constituição de 1988 que cobram a inexistência de monopólios e oligopólios na mídia. 

“A regulação tem que ter uma base, e essa base é a econômica. A concentração de poder econômico dificilmente leva a relações democráticas. Leva, sim, a relações assimétricas de poder, de informação e prepotência em qualquer área”, disse Dilma.

A presidente ainda destacou o papel dos blogueiros na democratização da informação. “Os blogueiros representam como a liberdade de expressão pode ser estimulada por novos meios de comunicação. A internet possibilitou isso. Mas independentemente desse avanço, eu entendo que o Brasil tem que regulamentar a mídia”, endossou.

Na matéria do Luis Nassif Online, Dilma fala ainda com os blogueiros sobre segurança, reforma política e saúde pública. Quem quiser ler, clique aqui:

domingo, 28 de setembro de 2014

Entrevista com Cleber Rabelo - "O cenário é de muita incerteza. Há uma falsa polarização entre Dilma x Marina e Helder x Jatene e muita frieza por parte do eleitorado"

Ananindeuadebates - Vereador Cleber Rabelo,  o senhor é um dos líderes dos trabalhadores da construção civil, a categoria realizou 14 dias de greve  em setembro. Por que os trabalhadores foram à greve?

Cleber Rabelo - Fomos à greve porque os empresários da construção civil do Pará, representados pelo SINDUSCON (Sindicato Patronal) se negou e apresentar uma proposta digna de reajuste salarial e demais cláusulas constantes em nosso Acordo Coletivo de trabalho. Para você ter ideia, a primeira proposta do na mesa de negociação SINDUSCON foi de reajuste de 6,5% e nada mais. Nós exigimos 18% e 100,00 de cesta básica. Depois de dois fortes dias de paralisação, os empresários apresentaram uma proposta de 7% de reajuste no salário e mais 30,00 reais de cesta básica, aumentada no dia seguinte para 40,00 reais, mas com rígidos critérios para que os trabalhadores tivesse de fato o ganho. Pela proposta do empresários, se o operário que faltasse de forma justificada e apresentasse atestado médico ainda assim esse operário perderia o direito a cesta básica no final do mês. Nós então sinalizamos com uma outra proposta de 10% no salário e fechamos em 40,00 de cesta básica. Eles, de forma intransigente, se negaram a seguir nas negociações e não nos restou outro caminho senão a greve. Além da intransigência, o SINDUSCON demonstrou toda sua crueldade e mesquinharia com os trabalhadores. O nosso sindicato conseguiu fechar com 6 empresas de pequeno e médio porte o acordo de 10% de reajuste salarial além da cesta básica não condicionada a critério nenhum para seu recebimento. Se empresas pequenas e médias podem pagar 10%, por que as grandes empresas que se organizam e hegemonizam o SINDUSCON não podem? Não há explicação. É ganância, intransigência e ódio de classe mesmo, dos empresários contra os trabalhadores.

AD - Qual foi a principal conquista da greve?

CR - Sem dúvida que foi a cesta básica. Nós lutamos por 5 anos seguidos pelo direito a cesta básica, que já é uma
realidade em vários estados e mesmo municípios do Pará, como Paragominas e Altamira. Em Belém, Ananindeua e Marituba nós não tínhamos. Foi fruto de muita luta, muito debate, muita solidariedade de outras categorias, muita paralisação e muita greve. Conquistamos uma nova cláusula em nosso acordo coletivo de trabalho. Isto é fantástico. é difícil nós vermos isso acontecer nas greves de outras categorias que ocorreram no último período. Mas além disso, conseguimos derrotar a proposta absurda deles de querer impedir o recebimento da cesta básica em caso de falta justificada, medida completamente abusiva.

AD - O sr. foi eleito vereador de Belém, com votos dos trabalhadores da construção civil, e  hoje é candidato a deputado federal. O Senhor acredita que a categoria tenha força para eleger um deputado federal?

CR - Tem sim. Além de bastante numerosa, a categoria dos trabalhadores da construção civil tem força política, podem conquistar muitos votos para além da nossa categoria. Em qualquer bairro que você ande você encontrará alguém que trabalhe ou já trabalhou na construção civil. Mas nossa candidatura também tem recebido apoio de trabalhadores em educação, de trabalhadores rurais, de bancários, urbanitários, trabalhadores dos correios, servidores públicos de todas as esferas, estudantes, etc. O mais importante, porém, em nossa participação nas eleições é a divulgação de nosso programa socialista, o diálogo com as pessoas e o fortalecimento da organização e da luta direta da classe trabalhadora. Nossa campanha eleitoral está a serviço, ante de tudo, dessa estratégia.  Não compramos votos e nem trocamos nossas ideias por votos. O voto é consequência de um trabalho político que desenvolvemos no cotidiano das lutas e que tem como objetivo a disputa da consciência dos trabalhadores para um projeto de sociedade alternativo, o socialismo. 

AD - Como o Senhor  avalia o quadro eleitoral no Pará, e no Brasil?

Zé Maria de Almeida Candidato a presidente da República pelo PSTU
CR - O cenário é de muita incerteza. Há uma falsa polarização entre Dilma x Marina e Helder x Jatene  e muita frieza por parte do eleitorado. Digo falsa polarização porque eles, em essência, são todos iguais em seus programas de governo e em sua prática política, isto é, tem alianças políticas e financeiras umbilicais com a burguesia e não se propõe a questionar e a mudar radicalmente o sistema político, a política econômica e as leis em nosso país. A frieza e a descrença da maior parte do eleitorado se expressa na falta de empolgação das pessoas com o processo eleitoral, na intenção maior das pessoas de votar nulo ou branco ou se abster ou mesmo de votar nos partidos da esquerda socialista, que eu acredito que vai ter um crescimento eleitoral. Essa situação deve-se à nova situação política aberta em junho de 2013 de grandes mobilizações e questionamento generalizado ao sistema político brasileiro. A nossa  campanha junto com a do  companheiro Zé Maria  candidato presidência  pelo PSTU, busca dialogar com esse sentimento que é justo e corretíssimo e a partir das necessidades mais sentidas da classe trabalhadora apresentar um programa de ruptura com o grande capital e de transição socialista.



sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Pesquisa aponta os favoritos para Câmara dos Deputados


Doxa - federais


Via blog do Jeso Carneiro

por Dornélio Silva (*)

A Doxa Comunicação pesquisou a intenção de voto para os candidatos a deputado federal em todo do Pará. A pergunta feita aos eleitores foi do tipo espontânea, em que não se apresenta os nomes dos candidatos.
O delegado Eder Mauro (PSD) aparece em primeiro lugar, com 9,1% das intenções de voto.
Wladimir Costa (SDD) é o segundo colocado com 4,9%. Beto Salame (Pros) vem em terceiro lugar, com 3,1%. Edmilson Rodrigues (PSOL) é o quarto colocado com 2,1%.
Lúcio Vale (PR), o quinto colocado na corrida à Câmara Federal.
O Pará tem 17 cadeiras na Casa.
A pesquisa foi registrada no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Pará sob o número PA-0009/2014.
Foram entrevistados 1.200 eleitores. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos do resultado final. O intervalo de confiança é de 95%.
A pesquisa foi feita de 26 a 29 de agosto deste ano.
 
CANDIDATOS PERCENTUAL RANKING
NS / SR 46,5
Branco / Nulo 8,4
Eder Mauro 9,1
Wladimir Costa 4,9
Beto Salame 3,1
Edmilson Rodrigues 2,1
Lúcio Vale 1,6
Sidney 1,3
Elcione Barbalho 1,2
Zé Geraldo 1,2
Hélio Leite 1,1
Joaquim Campos 1,1 10º
Beto Faro 1,0 11º
Mário Moreira 1,0 12º
Gerson Peres 1,0 13º
Priante 0,8 14º
Simone Morgado 0,8 15º
Júlia Marinho 0,6 16º
Nilson Pinto 0,6 17º
Pastor Josué Bengston 0,6 18º
Denise Gabriel 0,5 19º
Geovane Queiroz 0,5 20º
Nicias Ribeiro 0,5 21º
Alcides Negão (Chita) 0,4 22º
Ana Júlia 0,4 23º
Pastor Raul 0,4 24º
Vieira 0,4 25º
Zeca Pirão 0,4 26º
Paula Titan 0,4 27º
Arnaldo Jordy 0,3 28º
Carlos Martins 0,3 29º
Carlos Vaz 0,3 30º
Chapadinha 0,3 31º
Dudimar Paxiuba 0,3 32º
Miriquinho 0,3 33º
Nélio Aguiar 0,3 34º
Puty 0,3 35º
Ademir Andrade 0,2 36º
Betinho 0,2 37º
Joaquim Passarinho 0,2 38º
Josias Higino 0,2 39º
Márcio Pinto 0,2 40º
Mário Marinho 0,2 41º
Paulo Quadro 0,2 42º
Ribamar Ribeiro 0,2 43º
Adelino Bessa 0,1 44º
Antônio Neto 0,1 45º
Batista 0,1 46º
Carlos Couto 0,1 47º
Edson Catender 0,1 48º
Gracimar 0,1 49º
José Amaral 0,1 50º
Magela 0,1 51º
Miriquinho Batista 0,1 52º
Nicolau 0,1 53º
Pastor Carlos Alberto 0,1 54º
Pipico 0,1 55º
Sgt. Rogério 0,1 56º
Walcir Moraes 0,1 57º
Walter Carneiro 0,1 58º
Wandekolk 0,1 59º
Wescley Tomas 0,1 60º
Zé Roberto 0,1 61º
Outros 2,3 62º
Total 100

Nova pesquisa Doxa: os favoritos para deputado estadual


estaduais favoritos 2014 - Doxa
No alto, Coronel Neil. Em baixo, Rebelo, Tião, Chamon e Tonheiro
Tião Miranda (PTB), que tenta a reeleição, aparece em terceiro, com 2,6%.
Na quarta e quinta posições estão Chamon (PMDB) e Antonio Tonheiro (PPL), com índices de 2,2% cada.

Via Blog do Jeso Carneiro

A mais nova pesquisa da Doxa Comunicação para deputado estadual, realizada em todo o Pará, aponta os nomes mais citados de forma espontânea, quando se pede aos entrevistados que digam o nome do candidato em que pretendem votar.
O Coronel Neil (PSD) foi o mais citado, com 4,1%.
Na pesquisa anterior, ele também ocupava a primeira posição, com 2,2% da intenção de votos. No Leia Mais, abaixo, confira os mais citados nessa pesquisa.
O 2º mais citado é Luth Rebelo (PSDB), com 2,9%.

A pesquisa, realizada de 9 a 12 deste mês, foi registrada no TRE (Tribunal Regional Eleitoral) do Pará sob o número PA-00027/2014.
Foram entrevistados 1.400 eleitores. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos do resultado final. O intervalo de confiança é de 95%.
Os mais citados para deputado estadual do Pará
Nome/Percentual/Colocação
Coronel Neil 4,1
Luth Rebelo 2,9
Tião Miranda 2,6
Chamon 2,2
Antonio Tonheiro 2,2
Dr. Nilson Oliveira 1,6
Sinoé 1,5
Nery 1,3
Martinho Carmona 1,2
Sefer 1,2
Ítalo Mácola 1,1
Leonardo Cabral 1,0
Marinor Brito 1,0
Roberto Rocha 1,0
Everaldo Batista 1,0
Celso Sabino ,9 10º
Júnior Ferrari ,9
Leodato ,9
Dineli ,9
Eraldo Pimenta ,9
Belo ,9
Ozório Juvenil ,8 11º
Josy Amaral ,8
Eliane Lima ,7 12º
Ana Cunha ,7
Iran Lima ,7
Sidney Rosa ,7
Antônio Rocha ,6 13º
Hilton Aguiar ,6
Airton Faleiro ,5 14º
Eduardo Costa ,5
Leoncio ,5
Rui Begot ,5
Carlinho Cacela ,5
Eliel Faustino ,5
Gordo de Marituba ,5
Nei Santana ,5
Nilce Pinheiro ,6
Miro Sanova ,4 15º
Claudionor Moreira ,4
Ilmara ,4
Joca Pantoja ,4
Márcio Miranda ,4
Moa Moraes ,4
Raimundo Santos ,4
Thiago Araújo ,4
Valdolir Valente ,4
Zé Francisco ,4
Hederson Pinto ,3 16º
Ivo Júnior ,3
Josefina ,3
Milton Campos ,3
Edilson Moura ,3
Regina Barata ,3
Aldo Tartari ,2 17º
Aroldo Martins ,2
Chico da Pesca ,2
Fábio Simão ,2
Fernando Coimbra ,2
Francisco Alves ,2
Francisco Victer ,2
Guga ,2
Jair Martins ,2
Jardel ,2
Jesmar ,2
João Guerra ,2
Jonas Alves ,2
Luzineide ,2
Maurício Corrêa ,2
Pastor Raul Batista ,2
Pastor Vanderlan Quaresma ,2
Zé Lino ,2
Roquevam ,2
Alberto ,2
Alfredo Costa ,2
Cláudio Malcher ,2
Dodo ,2
Eduardo Queiroz ,2
Isomar Barros ,2
Manoel Charlete ,2
Mazinho ,2
Miriquinho Batista ,2
Nyelsen Martins ,2
Pastor Aldo ,2
Prof. Elias ,2
Reginaldo Campos ,2
Renato Ogawa ,2
Saldanha ,2
Soldado Tércio ,2
Valter ,2
Vanda Aquino ,2
Waldir Júnior ,2
Wesley Tomas ,2
Zé Augusto ,2
Zé Linho ,2
Ademar ,1 18º
Afif ,1
Afonso Tavares ,1
Alex Santiago ,1
Antônio Armando Jr. ,1
Antônio José ,1
Apio Aviz ,1
Bordalo ,1
Bruno e Trio ,1
Carlitão ,1
Cássio Andrade ,1
Catarino ,1
Cotin ,1
Dirceu ,1
Dr. Fonseca ,1
Dr. Rufino ,1
Dr. Wanderlan ,1
Dra Vitória ,1
Eliene ,1
Elisson Oliveira ,1
Flávio Veras ,1
Gil Martins ,1
Gomes ,1
Helder ,1
Isaias Costa ,1
Ivan Júnior ,1
Jocimar ,1
Júnior Hage ,1
Lucineide ,1
Manoel Charlote ,1
Martins ,1
Mauro Freitas ,1
Nary ,1
Nelito Lopes ,1
Nilton Neves ,1
Pablo Fará ,1
Pastor Divino ,1
Pastor Josué Bengston ,1
Pastor Manoel ,1
Pastor Marco ,1
Prof. Duarte ,1
Raimundo Campos ,1
Ricardo Fialho ,1
Sacio Andrade ,1
Sandra Solon ,1
Shitana ,1
Silvinho Santos ,1
Tarcício ,1
Walcy Moraes ,1
Zé Begot ,1
Zé Roberto ,1

100,0